GRIPE H1N1 – Santa Catarina

    Doentes crônicos são as maiores vítimas da H1N1 em Santa Catarina

    O estado de Santa Catarina, no sul do país, registrou até o momento 685 casos de gripe A e 62 óbitos em decorrência do vírus — número que equivale a 42% do registrado durante a pandemia da doença, em 2009, quando 144 indivíduos morreram na região. As mortes por gripe A registradas este ano no estado atingiram, em sua maioria, pessoas que tinham alguma doença crônica. Entre outros fatores, a dificuldade de imunizar esse grupo, que é um dos mais vulneráveis ao vírus, explica o quadro. 

    Até o dia 12 de julho, já haviam sido registrados no país 1.449 casos e 159 óbitos em decorrência da influenza A (H1N1), sendo que 65% das mortes se concentram na região Sul. Santa Catarina é o estado que soma o maior número de casos e mortes pela doença em 2012.


    Região Sul concentra mortes por gripe H1N1 no Brasil

    Segundo Fábio Gaudenzi, diretor de Vigilância Epidemiológica (Dive), as primeiras 28 mortes do ano estão sendo estudadas, em parceria com o Ministério da Saúde, para avaliar as causas do crescimento do registro da doença em relação ao ano passado. Dados preliminares indicam que 85% dos mortos tinham doença crônica. “O grupo é formado, em sua maioria, por adultos com doenças do coração, pulmão ou obesos. É um grupo prioritário para a vacinação, mas sempre obtivemos baixa adesão dessas pessoas, o que as torna ainda mais vulneráveis”.

    Prevenção Outro fator que teria levado ao aumento da ocorrência seria o descuido da população e dos profissionais de saúde com os cuidados básicos em relação à prevenção. “As pessoas voltaram a pensar que gripe é apenas uma gripe e que basta ficar em casa e tomar um chá para ficarem curadas. “Em 2009, as pessoas ficaram alertas, mas agora os cuidados estão caindo em desuso”. Sequer vemos mais álcool gel nos restaurantes e locais públicos”. Dessa forma, os doentes voltaram a demorar a procurar ajuda especializada. Segundo um balanço parcial do Ministério da Saúde, metade das pessoas que morreram em decorrência do problema em Santa Catarina começou o tratamento com o antiviral oseltamivir, comercialmente conhecido como Tamiflu, com mais do que cinco dias após o surgimento dos primeiros sintomas. Na maioria dos casos de óbito, indicou o relatório, a gripe já havia se agravado quanto o tratamento começou. “A gripe não é uma doença banal e deve ser motivo para procurar um centro de saúde para início rápido do tratamento”.

    De acordo com Cláudio Maierovitch, diretor do Departamento de Vigilância e Doenças Transmissíveis do Ministério da Saúde, o país não enfrenta um novo risco de pandemia do vírus. Há, no entanto, possibilidade de surtos isolados. “O vírus é transmitido para quem não teve contato com ele ainda. Em algumas cidades, metade da população já foi infectada alguma vez, em outras, praticamente ninguém”.

    Perguntas Frequentes:

    Por que a gripe atinge mais pessoas durante o inverno?

    “O inverno é uma época em que, pelas baixas temperaturas, as pessoas tendem a se aglomerar mais. Isso facilita a circulação de vírus e bactérias, especialmente os responsáveis por doenças respiratórias.”

    A vacina protege contra todos os tipos de gripe?

    “A vacina protege contra a influenza A e B, incluindo o H1N1. Ela é modificada todos os anos, porque ela é feita a partir dos vírus que foram mais circulantes no ano anterior.  No entanto, o vírus da gripe tem muitas variantes e a vacinação só leva à imunização em 95% dos casos.”

    Quais são as diferenças entre gripe e resfriado?

    “Nós temos alguns sintomas que servem para diferenciar entre gripe e resfriado. O resfriado é caracterizado apenas por sintomas respiratórios, como dor de garganta, nariz entupido e coriza. Ele não tem repercussão no estado geral do paciente. Já os casos de gripe têm uma manifestação mais intensa do ponto de vista respiratório, mas também atingem o resto do corpo, com dores nas articulações, febre e dificuldades para executar suas atividades cotidianas.”

    Quando uma pessoa gripada deve procurar um médico?

    “Um paciente deve procurar seu médico quando tiver desconfortos significativos em sua respiração. Casos mais sérios, com tosse seca, cansaço após pequenos esforços e a falta de ar até em repouso podem indicar uma complicação na doença.”

    “Além disso, pessoas em grupo de risco também devem procurar a ajuda médica nos primeiros sinais da doença. Esses casos são de gestantes, idosos e crianças pequenas, ou pessoas com doenças associadas como as respiratórias, cardíacas e o diabetes. Os pacientes com alterações do sistema imunológico, como o HIV, também devem os procurar.”

    Um paciente gripado não pode sair em público?

    “É muito importante que as pessoas tomem cuidado quanto a isso. O paciente com gripe deve evitar sair de casa, ir para o trabalho e usar transporte público, porque existe o risco de ele contaminar outras pessoas.”


     
    Fonte VEJA – 23/07/2012

    Deixar uma Resposta