Fibra reduz circunferência abdominal

    Estudo relaciona ingestão diária de grandes quantidades de fibras com a diminuição de fatores de risco cardiovascular

    Consumo de mais de 10 g por dia foi relacionado a uma redução de 0,08 cm no tamanho da barriga dos voluntários a cada ano

    A ingestão de grandes quantidades de fibras diariamente pode ajudar a prevenir o ganho de peso e o aumento da circunferência abdominal, conhecidos fatores de risco cardiovascular. A conclusão é de um estudo holandês que acaba de ser publicado no “American Journal of Clinical Nutrition”.
    Pesquisadores do National Institute for Public Health and the Environment avaliaram dados de quase 90 mil europeus com idades entre 20 e 78 anos. Todos os voluntários eram saudáveis e nenhum sofria de males como câncer, doenças cardiovasculares ou diabetes no início do estudo. Os participantes foram acompanhados por seis anos e meio.
    As informações sobre os hábitos alimentares foram coletadas usando questionários validados em vários países. O objetivo era investigar a associação da ingestão total de fibras -considerando o consumo de cereais, frutas e vegetais- com mudanças no peso e na circunferência abdominal.
    Segundo os autores, o consumo de fibras foi associado inversamente com ganho de peso e aumento da cintura. A ingestão acima de dez gramas por dia foi relacionada a uma redução de 0,08 centímetros na circunferência abdominal a cada ano. As fibras provenientes dos cereais foram as mais relacionadas à diminuição da barriga.
    “As fibras estimulam os hormônios da saciedade”, explica o nutrólogo Durval Ribas Filho, presidente da Associação Brasileira de Nutrologia. Isso diminui a ingestão calórica total, promovendo a perda de peso. A redução da circunferência abdominal é uma consequência.
    Os especialistas apontam, ainda, outro benefício das fibras. “Sabe-se que as fibras ajudam a controlar a glicemia e o colesterol e isso ajuda a reduzir a gordura abdominal”, completa o cardiologista e nutrólogo Daniel Magnoni, do Hospital do Coração, em São Paulo. A gordura abdominal é a mais relacionada às doenças cardiovasculares por ser considerada mais aterogênica -tem mais facilidade de se depositar na parede das artérias.
    As fibras são nutrientes presentes nos vegetais que resistem à digestão e à absorção no intestino. Elas podem ser de dois tipos: solúveis e insolúveis. As primeiras, encontradas em legumes, aveia e frutas como a maçã, formam um gel em contato com a água, aumentando a viscosidade dos alimentos. Elas são associadas à redução do colesterol e controle da glicemia.
    Já as insolúveis, presentes nos grãos integrais, farelos e verduras, passam intactas pelo trato gastrointestinal, facilitando o trânsito intestinal. São mais relacionadas à prevenção de tumores. Atualmente, recomenda-se a ingestão de 25 gramas de fibras todos os dias -o que equivalente a cinco porções diárias de vegetais.

    Medida da cintura

    As últimas diretrizes brasileiras sobre obesidade estabelecem que a circunferência abdominal não pode passar de 102 cm em homens e de 88 cm em mulheres.
    No Japão, esse limite é ainda mais estrito para os homens, que não podem ter mais do que 85 centímetros de cintura. Para as mulheres, o máximo é 90.
    Uma campanha lançada pelo governo japonês pretende fiscalizar as medidas para diminuir os problemas decorrentes do excesso de gordura. A medida da cintura costuma ser feita anualmente e, segundo uma lei de 2008, é obrigatória para quem já passou dos 40 anos.

    Fonte: Folha de S.Paulo
    Notícia publicada em: 19/02/2010
    Autor: GABRIELA CUPANI

    Deixar uma Resposta